Joy Freitas: Abril 2012




Museu da Moda abre as portas em Canela

Copiado na íntegra do site: http://www.portocultura.com.br/2011/museu-da-moda-abre-as-portas-em-canela/

Publicado em: 28 dezembro 2011

A história da evolução das roupas femininas agora tem um endereço. Está localizado na Avenida das Hortênsias, número 1810 (estrada que liga Gramado a Canela), o Museu da Moda (MUM). O espaço, idealizado pela estilista Milka Wolff. O MUM vai propor uma viagem no tempo, desde os 2.000 a.C até o século XXI.


“A finalidade do Museu da Moda é dar uma oportunidade de acompanhar, em um mesmo espaço físico, as transformações estéticas e técnicas da roupa como representação social e cultural do seu tempo”, afirma a curadora Débora Elman. O acervo de 150 peças, feito pela equipe de costureiras de Milka, chama a atenção pelo acabamento impecável e pela maneira fiel de como foi reproduzido. “É possível termos uma noção sobre a história da moda pesquisando livros ou indo para a internet, mas assim, de maneira visual, estamos sendo pioneiros, até mesmo, no mundo, já que viajei os 5 continentes e nunca vi nada igual”, comemora Milka.


As vestimentas estão distribuídas em 2.500 metros quadrados e em vários ambientes. Logo no primeiro espaço, representando o antigo Egito, por exemplo, roupas feitas à mão, de puro algodão, sem costura nenhuma mostram o início da moda. Na era Napoleônica, por exemplo, a vitrine é inspirada nos ambientes glamourosos e clássicos das rainhas. Já a seção da Belle Époque irá reproduzir a sofisticação e o requinte da era de luxo. Haverá, também, as roupas dos séculos XX e XXI.


Cenários

O público poderá, ainda, fazer uma viagem completa no tempo. Todos os vestidos estão num cenário da época em questão. E o melhor: lustres, apliques, tapeçarias, materiais, pedras dos pisos, por exemplo, são originais de cada período e lugar, garimpados em antiquários do mundo todo. A iluminação e a sonorização dos ambientes também serão especiais. Cada vitrine terá um som direcional e uma luz ideal para melhor reproduzir a época.


Museu da Moda

O projeto começou a ser executado no início de 2010 pela estilista e empresária Milka Wolff. O prédio, construído pelo arquiteto Marcelo Nunes Vasquez Fernandez, tem cerca de 3 mil metro quadrados, além dos 900 metros quadrados de estacionamento. Na entrada, o foyer receber á os visitantes com uma cafeteria e uma loja de souvenirs.


Serviço:


Museu da Moda

Aberto de domingo a domingo

Das 9h às 18h

Avenida das Hortências, 1810 (estrada que liga Gramado a Canela

(54) 3282-1121


Ingressos:

R$ 30,00 – adultos

R$ 15,00 – crianças e idosos

Museu da Moda (Foto: Divulgação)


Artistas Feirenses

por Joy Freitas


A partir da avaliação da Micareta de Feira por parte do jornalista Edilson Veloso, gerou-se uma discursão muito pertinente sobre o tratamento que os artistas feirenses recebem em sua própria cidade.
Inspirada pelo assunto resolvi deixar registrado aqui minha opinião a esse respeito, ratificando o que já escrevi em comentários no facebook.

A falta de respeito com os artistas feirenses é uma humilhação. Na última hora, ainda na semana da festa, eles nem ao menos têm certeza do dia e horário que se apresentarão. Nem mesmo se serão realmente contratados. É um completo descaso. 
Como então se programar? Como contratar transporte? Como captar patrocínio? Como agendar outros shows em outros locais? Para responder qualquer uma dessas perguntas seria necessário no mínimo a assinatura de contrato com antecedência e comprometimento de dia e horário. 

Uma observação interessante é que um dos problemas esteja na falta de união e comportamento profissional dos artistas que não procuram se impor e cobrar um cachê e tratamento mais justo.
Eu acredito que enquanto muitos se submeterem a tocar a qualquer preço com o argumento de "mostrar o trabalho" isso nunca mudará. Penso também que não seja um problema pontual, apenas na Micareta, isso ocorre o ano inteiro. Nos bares, eventos particulares, festas públicas... sempre tem uma banda ou músico que aceita qualquer trocado para fazer o seu trabalho, e aqueles que fazem um trabalho sério e comprometido, quando cobram seu preço justo, ficam para trás. 
Músico é profissão, todo show tem custo e todo trabalho é para ser remunerado!
Parece que na ânsia de serem vistos, muitos esquecem disso.

Acho até compreensível essa busca pela divulgação do trabalho, já que no meio artístico a necessidade de exibição é algo mais incisivo, mais urgente e necessário que em outras profissões chamadas de "formais". 
É muito mais simples para um Administrador, um Advogado etc, comprovar sua competência com cursos, experiências, referências. E o artista? Tem que "fazer ao vivo", ter agenda cheia, público, pessoas atestando que já viram, ouviram, tudo isso construído de pouco em pouco. 

Para completar, as atividades artísticas são vistas como divertidas, como hobby, como um trabalho mais prazeroso e por isso talvez seja mais difícil ser reconhecido por muitos como um TRABALHO de verdade. Talvez por essa razão, contratantes acham-se no direito de pagar pouco. E por que agiriam de outra forma se até a própria família costuma agir assim? Quantos pais de artistas cobram que os mesmos procurem um trabalho de verdade? São séculos de tratamento pejorativo para ser modificado, isso sim!
Ainda assim, a discussão é válida, indispensável e urgente. É preciso atitude e paciência dos interessados.

Maryzelia


por Joy Freitas

Preciso confessar que sou meio alheia às unanimidades e por conta disso possuía um sentimento no mínimo antipático em relação à cantora Maryzélia. Sempre achei que era gente demais falando, gostando e elogiando, e eu no melhor estilo desconfiado, não dava muito crédito nem procurava ouvir para conhecer.
Na primeira noite oficial da Micareta, quinta-feira, pela primeira vez a vi cantando ao lado de Margareth e gostei. Foi um gostar “morno”, sem a empolgação típica das pessoas que se referem a ela, afinal ao lado de Margareth era mais difícil perceber a qualidade individual da moça.
Hoje Sexta-feira, de dentro do camarote da Revista Alternativa, não resisti em escrever o rascunho deste post enquanto a mesma ainda seguia com sua apresentação.
Dessa vez sim, fiquei realmente impressionada com a desenvoltura dela. Para mim, amante de bastidores e produção, foi realmente uma agradável surpresa ver uma artista local com uma produção digna de Carnaval de Salvador. Cenário em cima do trio, entrosamento com a banda, simpatia com o público e figurino impecável, e este é um item que observo muito. O repertório muito bem selecionado, superadequado à identidade do samba, que a mesma defende. Claro que não sou musicista, nem especialista para falar de qualidades técnicas, mas no meu pouco conhecimento de ouvinte bem crítica, posso declarar que gostei muito do que vi e ouvi.

Parabéns a cantora Maryzélia e toda sua equipe pelo bonito trabalho.
Espero que as fronteiras sejam abertas para que a mesma não sofra da mesma sina de outros artistas locais que muitas vezes por falta de incentivo e profissionalismo acabam reduzidos aos limites regionais. Desejo que ela consiga a tão sonhada consagração nacional ou até internacional para representar bem a nossa terra.

Obs: Perdoem a qualidade das fotos, mas meu celular ainda não é um IPhone rsrsrs





por Anna Castelo

via facebook de Anna Castelo


[A contratação de artistas para a Micareta de Feira de Santana, por parte da prefeitura, foi alvo de críticas de vereadores da oposição. Os parlamentares criticam os valores pagos aos músicos locais e a contratação da cantora Camila Faustino, de Goiás, que terá cachê de R$ 20 mil.
"Não há uma equipe que avalie o desempenho do artista. O vereador que tem força política indica as bandas de Feira. Omenor valor pago para artistas de fora é de R$ 12 mil. Mas nenhum artista de Feira está ganhando isso", disse Marialvo Barreto (PT), em sessão da Câmara Municipal. A maioria dos músicos feirenses receberá R$ 8 mil.
Já o vereador Frei Cal (PMDB) estranhou a contratação da cantora Camila Faustino, que tem como principal repertório músicas de MPB. Queremos descobrir quais foram os critérios e de quem foi a iniciativa. A prefeitura deveria explicar o interesse em trazer uma cantora que não é conhecida no circuito da música baiana”.] Trecho extraído do site http://deolhonacidade.net/index.php

É a coisa mais vergonhosa que já vi em toda minha vida, eu como artista da terra fico triste ao ver como somos pequenos na visão da grande maioria dos que se acham "poderosos".

Trabalhamos muito, damos sangue pela nossa terra e muitas vezes temos orgulho de dizer: SOMOS FEIRENSES...E temos que continuar dizendo porque ser Feirense é orgulho, só não temos culpa de termos pessoas tão mal preparadas para nos apoiar... E só somos reconhecidos quando infelizmente ou felizmente ganhamos espaço em outro lugar que não o nosso.


Homem tem medo de mulher independente.

O texto não é meu. Achei "fuçando" por aí em vários blogs diferentes, copiei, guardei e agora encontrei perdido nos meus arquivos, por isso ficará sem o crédito do autor. Se alguém souber o nome, comenta aqui.



Homem tem medo de mulher independente.
Pior ainda: Homem tem medo de mulher que bomba!

Aí que o cara conhece uma gata. Bonita e com estilo não convencional de se vestir. Bebe tanto quanto ele. Se quiser, fuma também. Dança até o chão. Gosta de sexo. E de luz acesa, fazendo o favor. Se o bofe não puder/quiser sair, ela sai só com as amigas. Topa qualquer programa. Não tem tempo ruim. Trabalha e ganha um dinheiro pra bancar suas coisas. Se tiver meio sem grana, se diverte como dá. Se tiver bem de dinheiro, pode até pagar a birita pro cara. Conversa com todo mundo, conhece muita gente. Falando assim, parece bem divertido ficar com uma mulher dessa. E é! O problema é que grande parte dos homens não seguram a onda de uma mulher pau-a-pau com eles. Aí eles namoram a Sandy.
A Sandy é fácil de namorar. Ela sai, mas não dança até o chão. Ela não bebe, no máximo uma smirnoff Ice (cruzes!). Ela tem cabelo liso, até a cintura. Com luzes, provavelmente. Nada de decotes ou mini saias. Se ela tá sem grana, papai paga. Se o namorado não puder/quiser, ela não sai. Ficam em casa, assistindo comédias românticas. Transa de luz apagada e “aí não que dói”
Mas quer saber? Mulher que bomba dispensa homem sem coragem!
Mulher de verdade assusta!

Para que se consumir tanto?

por Martha Medeiros

"... gosto de quem tem compromisso com a alegria, que procura relativizar as chatices diárias e se concentrar no que importa pra valer, e assim alivia o seu cotidiano e não atormenta o dos outros. Mas não estando alegre, é possível ser feliz também. Não estando "realizado", também. Estando triste, felicíssimo igual. Porque felicidade é calma. Consciência. É ter talento para aturar o inevitável, é tirar algum proveito do imprevisto, é ficar debochadamente assombrado consigo próprio: como é que eu me meti nessa, como é que foi acontecer comigo? Pois é, são os efeitos colaterais de se estar vivo.
Benditos os que conseguem se deixar em paz. Os que não se cobram por não terem cumprido suas resoluções, que não se culpam por terem falhado, não se torturam por terem sido contraditórios, não se punem  por não terem sido perfeitos. Apenas fazem o melhor que podem.
Se é para ser mestre em alguma coisa, então que sejamos mestres em nos libertar da patrulha do pensamento. De querer se adequar à sociedade e ao mesmo tempo ser livre. Adequação e liberdade simultaneamente? É uma senhora ambição. Demanda a energia de uma usina. Para que se consumir tanto?

A vida não é um questionário de Proust. Você não precisa ter que responder ao mundo quais são suas qualidades, sua cor preferida, seu prato preferido, que bicho seria. Que mania de se autoconhecer. Chega de se autoconhecer. Você é o que é, um imperfeito bem intencionado e que muda de opinião sem a menor culpa.

Ser feliz por nada talvez seja isso."

Extraído do livro Feliz Por Nada, de Martha Medeiros, capítulo Feliz por nada, pág. 142.




Ser simples é ser incrível!

por Joy Freitas

Essa é uma frase muito repetida na internet mas que nem sempre internalizamos para nosso dia a dia.
Se pararmos para pensar, muitas vezes não é preciso muito na vida para sentir-se feliz e não sei porque as pessoas complicam tanto a felicidade.
Esse final de semana foi um exemplo disso: boa companhia, boa comida, clima agradável, amigos presentes, família em harmonia, saúde em dia e credores satisfeitos, ou seja, precisa mais de que?
Difícil mesmo é conseguir que todas essas variáveis ocorram de uma só vez.
Entretanto, precisamos valorizar cada momento mesmo que nem tudo de bom ocorra ao mesmo tempo, mas aproveitar sempre os momentos felizes faz parte de garantir a felicidade na vida.






Bafo Summer Time



Dia 1º de Abril, dia da mentira, foi a vez de conferir toda fama de boa festa que carrega o Bafo Summer Time, que aconteceu no Ville Gourmet e constatar que a fama é mais que justa e verdadeira.
A festa é de uma organização e repleta de serviços que justificam sua fama de melhor prévia micaretesca da cidade.
As bandas deram um show literalmente, e os mimos oferecidos pela produção são maravilhosos: garçons a postos circulando toda festa nos servindo, comidinhas a vontade, salão de beleza, massagem, customização de camisas da festa...tudo muito bom mesmo.
Foram atrações da festa as bandas Cheiro de Amor e Jammil e também a boite animada por Dj Agenor.



Jammil abrindo a festa


Cheiro dando show
Garçons a postos esperando o público entrar




Lançamento Camarote DJ Agenor

Continuando a rotina social, dia 31/3 estive na The House Discolounge, no Ville Gourmet, junto com minha amiga Marina, no lançamento do Camarote Dj Agenor, o melhor camarote da Micareta de Feira.
Festa linda, serviço da melhor qualidade, comes e bebes deliciosos e a presença de pessoas interessantes: uma noite perfeita!
Joy na The House Discolounge


Marina Falcão, Joy Freitas e Ailton Pitombo

Joy Freitas

Lançamento da Revista Alternativa

Olá,
Parece brincadeira mas a vida social detona com minha vida virtual...o contrário obviamente não ocorre, pois é claro que prefiro a vida real.
Enfim, como os últimos dias foram muito movimentados, demorei em atualizar o blog.
Na última terça-feira (27/3) estive presente no lançamento da Revista Alternativa, festa essa que serviu também para promover uma interação entre organizadores de eventos e incentivadores da Micareta de Feira. Esteve presente também a banda Seu Maxixe e outros artistas locais.
Se depender da empolgação das pessoas presentes, a micareta promete ser legal, vamos ver se a administração pública vai trabalhar direito, ou manter a imagem desorganizada de sempre.

Eu, Patrícia San Galo e Carolina Pamponet


Eugênio (Seu Maxixe)

Berg (Seu Maxixe)






Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *